quarta-feira, 17 de setembro de 2008

Divindades do congo-angola

5.0 PRINCIPAIS DIVINDADES QUE CHEGARAM AO BRASIL



5.1 Panteão das casas Congo/Angola no Brasil de hoje.

Basearemos nossas análises a partir do panteão de uma casa que descende da mais tradicional casa de Angola do Brasil, o Tumbansi, fundado pela matriarca Maria Genoveva do Bonfim, Mameto Tuenda dia N’Zambi, conhecida por Maria Neném, em Salvador-Ba. hoje dirigida por Mameto Lembamuxi, e situada no bairro Tancredo Neves. A casa descendente chama-se Kua Dianda Inzo Ia Tumbansi Tua Nzambi Ngana Kavungu, dirigida por Walmir Damasceno, Tata Takuvanjensi. Esta casa situa-se em Itapecerica da Serra, Sp. e, encontra-se, segundo seu dirigente, num processo de reafricanização ou pelos menos num processo de revisão lingüística e litúrgica, tentando afastar-se do modelo nagô e aproximar-se cada vez mais de suas raízes bantu. O que na verdade, seu dirigente procura é uma identidade própria do povo-de-santo angoleiro.

Inzo Ia Tumbansi Tua Nzambi Ngana Kavungu

Mpambu Njilla
Nkosi
Mavambo
Mutakalambô
Ngunzu
Nkongobila
Katendê
Mpanzo
Kingongo
Nsumbu
Kavungu
Hongolô
Nzimga Lubondo
Nzazi
Luango
Matamba
Uambulu’n’sema
Kaiongu
Kapanzu
Ndanda Lunda
Ndanda
Kianda
Samba Kalunga
Kukueto
Nzumbarandá
Lemba Dilê
Lemba Gima


Estaremos usando aqui até a exaustão o termo nkissi, mas no universo lingüístico bantu vamos encontrar diversos outros termos para nomear as divindades. Entre os povos da Lunda usa-se Hamba (sing) Mahamba (plural), entre os Tchkowe usa-se akixe (sing.) Mukixi (plural), designando divindades similares ao Minkisse cultuados no Brasil, inclusive alguns deles se confundindo com os daqui. No entanto, usamos o termo Minkisse por se tratar da nomenclatura utilizada pelos povos bakongos e por sua utilização ser ampla entre o povo de santo de congo-angola, no Brasil. Em 1938, Edison Carneiro usa a palavra Inquices – com essa grafia mesmo – para referir-se as divindades bantu, e não usa os termos Mukixis ou Mahambas. Esses dados que foram colhidos por ele em conversas com os bantu da época, é um reforço à nossa idéia de que o culto de congo-angola no Brasil tem um destacado componente congo como tentaremos demonstrar em outra parte deste trabalho. Ora, se houvesse, na época, cultuadores de mahambas ou de mukixis, certamente Carneiro teria feito alguma referência a esse fato e se não o fez é porque não ouviu de nenhum de seus informantes essas referências. Até hoje, mesmo os angoleiros mais milongados usam a terminologia de Nkissi, mas jamais ouvimos alguém falar em Hamba ou Akixi, termos estes introduzidos recentemente pela camada mais letrada do povo de santo angoleiro Esse grupo, geralmente mais escolarizado, tem se dedicado a um resgate e revisão da cultura e religiosidade bantu no Brasil.
O que são os Minkissi? O singular de Minkissi é Nkissi e encontraremos nos dicionários e nas etnografias escritas pelos Padres e Missionários católicos o termo traduzido como feitiço, e quase nunca como um deus ou força da natureza. No entanto, na compreensão do Povo-de-Santo de congo/angola, o Nkissi é uma força da natureza, uma energia viva manipulável de acordo com os interesses e necessidades dos homens. O Nkissi, no entendimento dos seus adeptos, é uma força, uma energia (nguzu) que vem das manifestações da natureza, como o raio, o trovão, a água salgada, a água doce, a chuva, e outros fenômenos atmosféricos, assim como plantas, e animais. Tudo que é vivo está interligado ao homem e pode transmitir-lhe nguzu em maior ou menor quantidade de acordo com os ritos propiciatórios. Para o homem do universo bantu todas as realidades, humana, animal, vegetal, mineral é sagrada e faz parte de um mesmo universo, tanto quanto a comunidade tradicional é formada pelos homens vivos, os homens mortos e os que estão para nascer. A energia que perpassa todas estas realidades chama-se nguzu e está sempre à disposição dos homens vivos que poderão manipulá-la para o bem ou para o mal, de acordo com a visão não maniqueísta do homem africano e por extensão a do afro-brasileiro. Segundo a lógica de compreensão africana, Deus ao fazer o mundo, o fez de maneira que, uns seres precisassem dos outros, o que há de sobra em um está faltando no outro, o que é o mal para um é um bem para outro. Nessa lógica, todos os seres estão interligados e por uns necessitarem dos outros pudessem criar um mundo de harmonia e equilíbrio. Nessa concepção, mal e bem não são realidades excludentes, mas, complementares, na direção de completar a criação de Deus. Todos os seres vivos, homens, animais, plantas, cursos d’água e todos os demais elementos da natureza estão a serviço de um bem comum em cujo epicentro está o homem, a última criação de Deus como podemos vemos em diversas mitologias.


Segundo o dicionário de kikongo/francês Nikisi é



“Nkisi 4 : feitiço (estatueta, recipiente ou amuleto), talismam, encantamento, instrumento mágico de sortilégio; medicamento real ou de ordem mágica; produto químico ou mágico. Nganga : feiticeiro; Sakumuna: avivar a potência de um feitiço (invocação por campainhas ou chocalhos, por cuspição de nós de cola mastigada, libação de aguardente – malafu, algumas moedas, tecidos, ornamentos e outros objetos.”
STARTENBROECKX:s/d p. 447 – tradução livre do francês.

E segundo o dicionário de português/kimbundo nguzu é

Energia: s.f. KIMB – Nguzu, kiambe, kibalu, upanji
MAIA: 1961. p. 227


O padre Martins, que viveu e trabalhou entre os Cabindas durante muitos anos dá a seguinte definição de Nkissi:

“ Há entes sobre-humanos que, por vontade de Deus, governam o mundo em seu lugar: são principalmente os Bakisi (Nkisi –pl. Bakisi) os gênios no sentido mais amplo da palavra” ( MARTINS: S/D p. 8e9)

O nkissi, segundo essas definições, é uma força viva, é uma energia, o nguzu, que no Brasil, tanto como na África bantu é apreendido e manipulado pelo sacerdote, através de cantos, orações e invocações. No Brasil ele é assentado numa vasilha de barro, ou no próprio barro, e no seu conteúdo há folhas, frutos, bebidas e outras especiarias. Ao mesmo tempo, o Nkissi pode, através do transe mediúnico, manifestar-se junto aos humanos para através da dança sagrada reafirmar o seu poder e sua força entre eles, recolocando e redistribuindo o nguzu, elemento indispensável à vivência humana e social, a manter o equilíbrio criado por Nzambi Ampungo.
Itana Mutararê, (MUTARARÊ: 2006/07/08) estudiosa de cultura bantu, elaborou interessante texto sobre a força vital o Nguzu, nas páginas da internet, na comunidade Candomblecistas com a palavra, definindo o termo nguzu, que vale a ver na íntegra o que diz a articulista:

NGUZO-HAMBA: Essência Divina da Existência
“Levando em conta a grande diversidade de povos com idiomas do tronco lingüístico bantu e suas diferentes origens e relações ao longo da historia, não se encontra, em absoluto, uma uniformidade nos princípios filosóficos que regem a vida dos mesmos. Entretanto, observa-se no grupo lingüístico bantu uma característica gramatical proeminente, que é o uso extensivo de prefixos; desta maneira, tem-se o vocábulo NTU, como força universal que se manifesta em tudo o que existe, visível ou invisível, material ou espiritual: o "Muntu" : o homem, a pessoa, o assunto, o inventor, o autor, o artesão da situação (pessoa viva ou morta); depois, o "Kintu": o objeto, a coisa, a vítima da situação; depois, o "Kuntu": o quando, a forma; e finalmente, o "Hantu" : o lugar, a posição do evento. Conforme pode ser observado, a raiz comum a estes quatro elementos é "ntu". A tradição oral africana, seja bantu ou yorubá, mantém que antes da criação do universo, existia somente uma energia geradora da força vital. Com o tempo, esta força assumiu a consciência daquilo que nós angoleiros chamamos de Nzambi Npungo, Criador do Universo e de tudo que nele tem nascido. Nessa perspectiva, NOMMO é nguzo(força), é mukondo, é kunema, é dizonda, e kutena, é uiala, é muenhu, é nguzu ia Zambi; em kikongo é nkuma, é nfinga, é lulu-ndu, é lubalu, é luxiamu, é moio, é ngolo ia muanda. É a força vital que nasce com O SER HUMANO. Todo ser vivo a possui, porém é mais poderosa no HOMEM porque além de proporcionar inteligência e capacidade de falar, lhe proporciona capacidade de escolher. Intervém na fertilidade e na fertilização, porém não é suficiente para produzir um novo ser humano completo, um muntu. Este só estará completo quando os que o concebem (seus pais) lhe dão um nome. Antes disto é apenas um kintu, e se morrer, sua força vital desapareceria e não continuaria existindo no mundo dos mortos. O homem (o pai) é quem dá o nome, é quem ativa o nommo com o som da palavra para que o ser deixe de ser kintu.
Acredita-se que quando o universo foi criado, a cada coisa (para o africano tudo tem vida) lhe foi dado ntu, nguzu, força, vitalidade, poder de existir, uma energia mística da qual dependem as muitas essências de vitalidade e de existência. Está presente em todas as coisas, concretas ou abstratas. Humanos, animais, plantas, rochas, cursos d’água, colinas, savanas, possuem nguzo, em vários graus, em todos os lugares e em todas as coisas. Longe de ser um Deus remoto, como amiúde é descrito na literatura, Nzambi Npungo é eternamente presente e ativo, através de nguzo, em todos os elementos do universo. Deste modo, nguzo deve ser entendido como a presença prolífica da Divindade em tudo o que há no universo. Nzambi impulsiona a vida e a matéria. Como estas são “filhas” ou emanações da Divindade, ambas são produto e condutoras de nguzo, colocando um “pedaço” de Nzambi e da sua graça em cada elemento do universo. Então, através de nguzo, Nzambi é Onipresente, Onisciente e Onipotente, sempre atento as ações do universo, particularmente com aquelas dos seres humanos.O nguzo não é visível nem se pretende personificá-lo. Não se pode defini-lo por atributos e características determinadas. É força, poder e mistério que envolve todos os Minkici. Nguzu é Força, é Nkici, é divindade, vida, existência, essência, poder, energia, vigor, força, vitalidade, causa e efeito, graça, remédio, conhecimento, autoridade, sabedoria, experiência; nguzu é tudo. Os adivinhos enfatizam que nada deve ser subestimado, desde que o seu grau de nguzu nunca poderá ser completamente determinado.O nguzu é ao mesmo tempo universal e imortal, mas nunca estagnado ou imutável. É uma energia maleável que pode ser reinterpretada e revigorada, constantemente evoluindo e crescendo através do tempo. Os humanos são os principais beneficiários desta energia. Desde que estes prosperaram separadamente em seus meios ambientes, nguzo tem sido aprendido, interpretado, entendido e aplicado em diferentes maneiras e em diferentes momentos.
Os bantus o chamam de nguzo ou móio; os hindus o chamam de darsan; os chineses falam do Ch’i; na Polinésia foi conhecido por mana. Para os africanos e para os adeptos do Candomblé, a dualidade entre um Ser Supremo Onipotente e Sua antítese é inexistente. Zambi e Nguzo são as causas de tudo, seja positivo ou negativo. É o Alfa e o Omega, Yin e Yang, começo e fim. Bem e/ou mal são resultados de ações humanas e não de uma batalha cosmológica entre duas entidades ou duas forças.Um provérbio utilizado na adivinhação nos lembra que: “para que haja o bom, tem que haver o mau”. NGUZO é neutro. Ele é “nem bom nem mau, nem moral nem perverso, nem puro nem impuro, algo mais do que energia elétrica ou nuclear”.NGUZO é simplesmente um tipo de energia irrefreável que é geradora por natureza; um poder no bruto que quando acessado pelos seres humanos é direcionado, e seu propósito é definido de acordo com a situação particular e/ou com a necessidade individual. É a ação humana, e não a energia por si mesma, o que determina onde e como NGUZO é usado ou mal empregado. O caráter moral é de extrema importância em seu relacionamento com NGUZO, desde que o comportamento apropriado na Terra influencia o acesso humano a NGUZO, tanto na vida presente quanto na ulterior. ZAMBI monitora a conduta de um indivíduo, durante a vida deste, através dos DEUSES que mantêm “registros” do comportamento humano. Portanto, se falar que pessoas amorais, viciadas, sem religiosidade, têm nguzo para construir ou doar coisas boas porque o Nkici “não interfere” no livre arbítrio de seus filhos, é um equivoco. O Nkici de fato, não interfere; mas se o mutue é limpo, se as obrigações estão em dia, se a pessoa tem índole digna, nas situações adversas ele induz ao certo, o que não é interferir, e sim, nos ajudar.
Os seres humanos podem se encarregar desta energia e usá-la para satisfazer suas necessidades, idealmente, para o avanço material e espiritual, individual e coletivo e para o desenvolvimento do seu caráter moral que ordena respeito e reverência. Uma vez em harmonia com nguzu, os seres humanos passam a viver suas vidas produtiva e plenamente.
Chukwudi, Emmanuel. Pensamento Africano – filosofia
-----------------------------Pensamento africano, cultura e sociedade. Ed. Bellaterra
As idéias de Mutarare apenas reforçam o que dissemos acima e corrobora o pensamento de Nei Lopes, (2005) que em livro lançado em 2005 sobre as culturas africanas diz textualmente que entre os povos bantu há a crença numa energia que perpassa todo o universo, visível e invisível, a que dão o nome de mooio ou nguzu. Essa energia, segundo o autor, está presente em todas as coisas, inclusive no som e na fala dos homens.
José Martins Vaz (1970) que viveu e trabalhou em Angola dà-nos a seguinte informação sobre o assunto:

“ Se o feiticeiro evoca – por palavras, gestos, símbolos, cerimônias – um determinado poder sobre uma estatueta, esta fica animada, dinamizada pelo poder que resolveu conferir-lhe. Se outro feiticeiro exorciza – por palavras, gestos, símbolos, cerimônias – um mau espírito para que deixe de atormentar um seu consulente, o interpelado só terá de obedecer a palavra, à vontade de quem tem poder sobre ele e sobre a sua atividade. Daí os cabindas terem certa hierarquia de poder, força, valor, entre os seus feitiços. Mais ainda: além dos feitiços têm os contra feitiços para neutralizarem os efeitos nefastos dos primeiros. Também os feiticeiros têm a sua hierarquização. E daí o preço da consulta ser também diferente de uns para outros. ( VAZ, José Martins: I vol. 1970, p.24 )
É corrente entre vários povos do universo bantu, com ligeiras variações de povo para povo, mitos e lendas que explicam o surgimento dos Minkissi. Dessas lendas, uma nos parece mais coerente com o pensamento brasileiro a respeito do assunto, e por isso, vamos transcrevê-la.

Dizem os antigos que na antiguidade o povo bantu prestava certo culto e que, neste tipo de culto, um determinado chefe bantu tinha o costume de se dirigir a uma montanha e lá fazer suas preces diretamente à Nzambi, sendo sempre atendido. Acontece que este chefe vem a falecer e seu filho o sucede em suas funções, só que o filho não sabe como desempenhar as atividades do pai, temendo estar diretamente em contato com Nzambi, como fazia seu pai. Ele fica desesperado, não sabe como agir e seu povo precisa de ajuda. É aí que lhe ocorre: apenas meu pai tinha coragem de estar diretamente com Nzambi, porque então não chamar de volta o espírito de meu pai para que ele possa interceder por mim e meu povo perante Nzambi?E assim foi feito. O filho traz de volta o espírito de seu pai, que torna a fazer suas preces perante Nzambi. A aldeia volta a receber as bênçãos através de suas preces, até que gradualmente, cada chefe de família passa a se utilizar deste método. Com o correr do tempo, cada família adota seus próprios espíritos ancestrais, que a princípio eram tratados como simples intercessores perante Nzambi, mas posteriormente passaram a ser o objeto principal de adoração. Por fim, Nzambi acaba sendo deixado de lado, e só são invocados os Minkisi, e os ancestrais divinizados.
Vejamos textualmente o que nos informa o jornalista Gil Gonçalves sobre os gênios da natureza cultuados pelo povo kimbundo, na Angola de hoje. Com ele a palavra de testemunha ocular e contemporânea dos fatos narrados.


Kimbundos de Luanda
Os Quimbundos de Luanda conhecem os «quituta» que vivem nos rios, bosques, rochas, fontes. Podem aparecer em forma de cobra com chifres ou de monstro horrível e encarnar através do pai ou da mãe. Também acreditam nas «quiandas», sereias que aparecem na forma de pessoa, costumam ocasionar deformações físicas.Os génios fixam o seu habitat em lugares e árvores especiais. Para vários angolanos, alguns embondeiros gigantes, os baobás, ficam sacralizados com a presença de génios bons e protectores, e constroem ao pé deles pequenas cubatas-santuários onde lhes oferecem culto. Era frequente dependurar os cadáveres dos feiticeiros dos seus ramos, para que os génios impedissem as suas acções nefastas.Controlam muitos lugares da natureza, quando habitam neles, bem como as actividades humanas nesse meio.Há génios no ar, na chuva, na tormenta, no fundo da terra, nas selvas, lagos, rios, nas nascentes, na caça e pesca, nas culturas, viagens, estepes e até nas enfermidades misteriosas.
LENDA DE NZAMBI
Segundo a história tradicional e oral, que o Autor ouviu, da boca dos mais idosos e categorizados chefes destas duas tribos, Lundas, Tutchokwe e todos os povos negros descenderiam dos Bungus e estes directamente do Nzambi (Deus supremo da mitologia tchokwe).Eis, pois, tal como nos foi contada, a história da criação do Universo e a ascendência divina destes povos.0 Nzambi, a quem também chamam Ndala Karitanga (Deus que se criou a si próprio) e Sã Kalunga (Senhor infinitamente grande, Deus supremo e infinito), depois de ter criado o Mundo e tudo quanto nele existe, criou uma mulher para que fosse sua esposa e para que, por seu intermédio, pudesse ter descendência humana, a fim de que esta povoasse a Terra e dominasse todos os animais selvagens, por ele também criados. Disse a sua esposa que passaria a chamar-se Ná Kalunga, em virtude de a filha que iria dar à luz, se chamar Kalunga.Com efeito, tal como o Nzambi tinha anunciado, passados nove meses, nasceu sua filha Kalunga. Esta foi crescendo como qualquer criança normal, junto de seus divinos pais, na tchehunda tcha Nzambi (aldeia de Deus).Logo que sua filha atingiu a puberdade, o Nzambi, seu pai, informou Ná Kalunga, sua esposa, que tencionava fazer uma caçada, durante os três meses da época seca e que, para não ir sozinho, levaria sua filha com ele.Esta resolução não agradou à divina esposa que tentou opor-se a que sua filha o acompanhasse. Porém, o Nzambi lembrou-lhe que ela tinha sido por ele criada para lhe obedecer, visto que, além de seu marido, era também seu Deus.
A partir dessa altura, o Nzambi passou então a viver maritalmente com sua filha Kalunga, a qual, depois da morte da mãe passou a chamar-se também Ndala Karitanga e a ser a segunda divindade.(extraído da Comunidade Candomblecistas com a palavra, postagem de Itana Mutararê)

Os candomblés de congo-angola têm esta prática e é através dela que ele, o candomblé bantu, se perpetua e preserva as tradições de seus antepassados. Os sacerdotes e as sacerdotisas, chamados de Tata e Mameto respectivamente, são os detentores do poder e do nguzu junto aos Minkissi e seus filhos-de-santo – pessoas iniciadas por ele, num ritual chamado de feitura de santo - assim como às pessoas que os procuram para resolver os mais variados problemas.
Segundo Placide Tempels,

“ As forças vitais superiores e inferiores são então consideradas pelos bantos em conjunto com as forças dos homens vivos. E é por elas que eu prefiro nomear as influências do ser para ser das causalidades da vida muito mais que as causalidades do ser; porque os seres os mais inferiores, eles também, os inanimados, os minerais são forças que por sua própria natureza estão à disposição e em relação com as forças que são os homens, as forças humanas vivas, ou como nós diríamos com a força vital dos homens. (TEMPELS: 2000. p.?) tradução livre do francês

Sendo o Nkissi a força viva da natureza é, portanto, um ser incontrolável como incontroláveis são os elementos naturais, daí a longa preparação pela qual passa o postulante a sacerdote uma vez que vai conviver com forças com as quais têm pouca intimidade. São no mínimo sete anos de preparação e estudo dentro do templo para que o indivíduo seja considerado capaz de exercer o sacerdócio e receber o reconhecimento de seus mais-velhos, sendo que a tradição mais estrita exige ainda mais tempo de acordo com a idade do candidato. Pessoas muito jovens são sempre muito censuradas quando assumem um alto posto na hierarquia sacerdotal, porque além do aprendizado de cantigas, rezas e o manuseio dos objetos sagrados, é necessário, ao futuro sacerdote, o recebimento da força vital (nguzu) passada de iniciador para iniciado, elemento sem o qual não poderá exercer seu ofício sacerdotal.
Os velhos sacerdotes têm a clara noção da responsabilidade que o mais-novo assume ao se investir desse difícil encargo a frente de um novo templo ou de um templo antigo cujo sacerdote tenha morrido.
Diferentemente de outros deuses africanos cultuados no Brasil, o Nkissi não tem uma narrativa que o ampare, pois, sendo força da natureza, nguzu, não possui trajetória humana. Talvez também não possua um conjunto de mitos que lhe dê sustentação, provocando dessa forma a impressão de que os bantos não têm mitologia sustentadora de sua teogonia e prática ritual. Evidentemente que os bantos possuem uma rica mitologia cosmogônica, da qual, algumas narrativas chegaram ao Brasil, mas um corpus mitológico que se assemelhe ao dos iorubás ou dos egípcios e romanos, é pelo menos desconhecida dos afro-brasileiros que se reconhecem como bantu. Não temos até agora encontrado elementos que nos autorizem a afirmar que ela existe. No entanto, os Minkissi são conhecidos e cultuados pelos afro-bantu apesar dos mesmos não conhecerem suas mitologias e sim suas ações no cotidiano dos templos e seu desenvolvimento e agilidade enquanto divindades.
Padre Martins(http://www.nekongo.org/2007/ete2007/livre_cabinda.htm) nos dá uma descrição muito interessante a respeito do culto aos Minkissi em Cabinda, oferecendo-nos o seguinte relato: Quando um grupo se desloca em busca de um novo lugar para estabelecer sua aldeia, e depois lá, devidamente estabelecidos, alguém desse grupo sonha com o Nkissi do novo lugar. Por tido tal sonho, procura um Ntoma Nsi da aldeia antiga e relata-lhe o que sonhou. O Ntoma Nsi imediatamente convoca outros notáveis da aldeia e vão até o novo local para consagrar o novo Nkissi assim como o seu sacerdote, ou seja, o novo Ntoma Nsi a quem caberá a guarda e os cuidados com o Nkissi local. Em lá chegando, ele procura, além do que sonhou com o Nkissi, outro homem, que tenha também possibilidades de ser o novo Ntoma Nsi. Esse novo homem não deve saber nada a respeito de que poderá o novo Ntoma Nsi. O Ntoma Nsi da aldeia antiga passa em frente a sua cabana e joga no colo do homem escolhido uma noz de cola (kezu) e a partir daquele momento esse homem passa a ser um possível Ntoma Nsi. Descem todos para o local sonhado pelo aldeão, acompanhados de outros notáveis da aldeia, levando vinho de palma, instrumentos para cavar, assim como uma galinha branca. Lá chegando, o Ntoma Nsi da aldeia antiga pede que cavem um buraco, ou caso seja numa árvore a morada do novo Nkissi, que façam alguns cortes na mesma. No buraco cavado despeja o conteúdo da garrafa de vinho tinto, uma garrafa de mavulo (vinho de palma) assim como nozes de cola (makezu), e, por último, sacrifica ali uma galinha. Por cima de tudo colocam uma esteira nova, e os dois postulantes a Ntoma Nsi devem passar a noite sobre essa esteira nova. Na manhã seguinte, a comitiva retorna ao local e um dos homens, geralmente o que sonhou com o Nkissi é escolhido como o novo Ntoma Nsi da localidade. A partir de então, anualmente, ou em ocasiões de crise na aldeia, falta ou excesso de chuvas, invasões de insetos ou discórdias muito sérias, o Ntoma Nsi faz libações ao Nkissi pedindo sua ajuda para solucionar a grave crise. Também é comum indivíduos procurarem o Ntoma Nsi para resolverem problemas de ordem familiar ou de saúde na família. Pode acontecer de alguém mais poderoso querer agradar o Nkissi por graças recebidas ou para pedir favores e, nesse caso, há oferendas individuais ou familiares. De qualquer modo, uma vez por ano, há uma cerimônia coletiva da aldeia, momento em que todos se preparam para oferecer ao Nkissi bebidas, noz de cola, animais em sacrifício. É também nessas ocasiões que aproveitam para benzer com a lama da cova do Nkissi suas ferramentas agrícolas, de pesca ou suas armas de caça ou de guerra. Em alguns casos específicos, tais como doenças graves, ou traições conjugais, ou como forma de reparação espiritual e de busca de mais energia, de casais ou de grupos de pessoas, acontece uma cerimônia mais prolongada, ocasião em todos se recolhem durante dois dias. Em cabanas previamente preparadas, separadas por sexos, se houver gente dos dois sexos. As pessoas são recolhidas no entardecer do dia, têm suas cabeças raspadas, recebem uma pintura corporal com tacula e lama branca, e durante esses dois dias abstêm-se de aguardente, sexo, carne de determinadas caças e animais domésticos. Aprendem a entoar determinados cânticos e rezas nativas. Ao final desse período, dois dias, descem até um rio mais próximo, onde se banham em água corrente e também é onde descarregam todos os resíduos das refeições que fizeram assim como o restante das pinturas corporais e outros apetrechos usados durante o recolhimento. Essa cerimônia é repetida de dois em dois anos ou sempre que a situação a exigir. Um homem ou mulher que vá entrar numa nova família deverá se submeter a esses atos se quiser ser aceito como parte dessa nova família.
Como é possível observar, entre os Cabindas o Nkissi é um gênio da natureza, tutor do bem estar do povo e é homenageado sempre que necessário. O Nkissi, de acordo com Padre Martins é um ser que subsiste ao homem, pré-existente na natureza e basta ao homem cultuá-lo para receber dele as graças e benesses. Nesse sentido, o Nkissi tem uma natureza diferente do antepassado, sendo que o antepassado é um ser familiar, pertencente à determinada família, ou seja, pertence à categoria dos homens mortos e, apesar de estar presente entre eles, faz parte do panteão dos seres divinais. Os antepassados podem chegar à categoria de ancestrais desde que suas ações na terra tenham sido valorosas, com farta descendência e atitudes bravas e reconhecidas por toda a comunidade.

Para os povos bantu há três classes de espíritos, a saber. Deus, potência universal e inquestionável – Nzambi ou Nzambi ampungo, os gênios da natureza - Minkisses (sing, Nkissi) e os antepassados, sobretudo os ancestrais clânicos e chefes de linhagem, que quanto mais ilustres e bem sucedidos foram em vida, maior e melhor o culto e a devoção que lhes rendem. No Brasil, os antepassados são cultuados nos candomblés de Congo–Angola em locais especialmente preparados para tal fim chamados de Casa de Vumbi – Nzo Nvumbi. Ou na forma de caboclos, que são considerados os ancestrais brasileiros e, portanto, merecedores de culto e honrarias diversas. É-lhes reservado um dia especial de festa em sua homenagem, no calendário litúrgico das casas religiosas de origem bantu sendo que, nas casas mais bem aparelhadas ou com mais espaço disponível, os mesmos, os caboclos, dispõe de um barracão especialmente construído para eles.
Ao contrário dos Minkissi, não possuem assentamentos especiais, pois, segundo a lógica do sistema religioso afro-banto os caboclos vivem livres na natureza e permanecem por aí espalhados pelas árvores e outros pontos da natureza encontrados no espaço da roça de candomblé. São chamados de catiços e são os intermediários entre os Minkissi e os homens, trazendo recados, alertas e reprimendas quando necessário. Em transe nos filhos-de-santo da roça ou no Sacerdote, dão consultas aos filhos-de-santo e clientes ajudando a solucionar problemas de toda ordem e dessa forma, acabam sendo os responsáveis pelo fluxo econômico – representado pelo cliente – mantenedor da casa de culto.
O caboclo, por expressar as vontades dos deuses e poder falar aos homens de igual para igual é uma figura sagrada muito querida e respeitada nos candomblés bantu e, em nossa opinião, é quem melhor perpetua o culto aos antepassados, tradição essa vinda da África. Um dos maiores zelos do homem banto em África é zelar e cuidar para que nada falte ao seu ancestral para que, ele satisfeito, possa interferir na vida da comunidade e proporcionar-lhes vida abundante de saúde, de caça, de muitos filhos, da ausência de doenças etc. O antepassado em África bantu desempenha um papel fundamental na preservação e conservação da vida comunitária e familiar, sendo que os gênios da natureza – os Minkissi – são invocados para resolverem problemas mais de ordem geral, ou problemas mais sérios dos quais os antepassados podem não ter a resposta. Zelar pelo antepassado, e vimos que, a comunidade humana na África bantu é formada pelos homens vivos, pelos homens mortos e os que estão para nascer, é zelar pela própria família e pela comunidade. Sendo a sociedade bantu estruturada em linhagens familiares é fácil perceber a importância do culto ao ancestral na formação e conservação dessas linhagens. A figura do caboclo no candomblé bantu no Brasil tem exatamente essas atribuições. Ele é agregador da comunidade-terreiro, ele é que proporciona a vinda de consulentes que trarão o dinheiro necessário para a manutenção do templo e ele ainda resolve querelas entre os filhos-de-santo ou entre casas similares. Parece-nos que a linhagem familiar que se destroçou com a escravidão tem sido refeita na diáspora através da religiosidade. Uma casa de candomblé bantu, tal como uma aldeia africana, cultua em primeiro lugar Nzambi Umpungo, os Minkissi e os Caboclos, refazendo desta forma a estrutura original afro-bantu.
Novamente nos valemos da palavra da José Martins Vaz para aclarar a questão:

“ Antepassados em sentido próprio – manes – serão os mortos, que pelo cumprimento de todas as tradições da sua etnia, foram recebidos pelos que os precederam na morte e, pela lembrança perdurável dos vivos, pelos sacrifícios constantes que os mesmos lhes prestam, conseguiram sobreviver depois de terem passado pela morte e sua conseqüente diminuição no ser, como já referimos.
Tradições, costumes, diz-se entre os cabindas, chifu, pl. bifu, de modo genérico. Querendo designar os costumes deixados pelos antepassados, dir-se-á mambu ma bika bakulu, a palavra deixada pelos antepassados, ou bifu bi bakulu, as tradições dos antepassados.” VAZ, JOSÉ MARTINS: 1970, p.37-38)

Como se pode ver por essa citação, o antepassado é parte integrante do dia-a-dia do homem afro-bantu, assim como o caboclo é elemento indispensável nas casas de candomblé congo-angola. Uma casa de angola-congo é um templo onde se cultuam os gênios da natureza, os Minkissi, mas é também um templo, um local de culto aos antepassados, peça chave na religiosidade bantu na África e no Brasil.
Mas, voltemos à procedência dos Minkissi e para efeito de análise, agrupamos as divindades por atributos e a seguir aos seus nomes, aparece em letras maiúsculas, o nome do autor, conforme tabela abaixo, origem da divindade, casas que as cultuam no Brasil. Boa parte foi retirada do dicionário de Nei Lopes, (LOPES: S/D) só que os nomes alencados pelo autor estão todos aportuguesados e nós tomamos a liberdade de africanizá-los para facilitar a compreensão e a identificação do leitor.



TABELA DE ABREVIATURAS – aparecerão acompanhando o nome das divindades na ordem abaixo:


AUTORES
NL – Nei Lopes
EC – Edison Carneiro
OR – Óscar Ribas


ORIGEM
BAK - bakongo
AMB – ambundo

CASAS CONSULTADAS
T – Nzo Tumbensi –Itapecerica da Serra


Algumas divindades, apenas Nei Lopes registra, outras apenas Edison Carneiro (CARNEIRO: 1982) outras ainda Òscar Ribas (RIBAS: 1989) e algumas poucas, outros autores. Algumas divindades são cultuadas apenas no Nzo Tumbansi . Faremos neste capítulo, um rastreamento de todas as divindades, procurando sua origem, atributos e de que forma têm sido cultuadas no Brasil.
Numa primeira classificação agrupamos as divindades por ordem de atributos, não obedecendo a ordem em aparecem na casa consultada.

Divindades guardiãs

Aluvaiá NL BAK (LU-VUYA)/ EC
Mpambu Njilla NL UMB/BAK/T/
EngambeIRO NL/UMB
Nkosi Mukumbi NL BAK/ EC/T/
Mavambo T/
Nkondi NL/BAK
Nkondi NL/BAK/AMB/T
Hoxi Mukumbi NL/KIOKO


Divindades caçadoras

Mutakalambô NL/UMB/ EC/ OR/T/
Kabila OR/AMB
Katendê NL/BAK /EC/T/
Nkongobila NL/AMB /EC/T/
Kaiangô OR/AMB/T/
Mukongo –NL/AMB
Ngunzu – T/

Divindades aquáticas

Kianda T/
Ndanda Lunga NL /AMB/BAK/T/
Ndanda Lunda NL/AMB/T/
Samba Kalunga NL/AMB/T/
Kissimbe NL/AMB /BAK
Matamba NL/BAK/T/




Divindades da terra
Kaviungo NL/BAK/T/
Nsumbo NL/BAK /T/
Kingongo T/
Kubango NL/AMB
Mpanzu NL /BAK/T/
Kisambu NL/BAK
Kituto NL KIK
Burungunço/Kukete – EC
Kingongo – T/
Kukuete – NL/BAK




Divindades dos fenômenos atmosféricos

Nzazi NL/ BAK/EC/ T/
Cambaranguanje EC
Kibuko EC
Hongolô NL/AMB/ EC/ T/
Loango NL/BAK/OR/T/
Nzinga Lumbondo NL/BAK/T/
Kitembo- Tembu NL/BAK/AMB/ EC/T/
NdandaNzumba NL/BAK/T/
Matamba NL/BAK/T/
Bamburucema – NL (origem desconhecida) EC/T/




Divindades da procriação

Kassulembá NL/BAK
Lemba NL AMB/BAK/ EC/ OR/T/
Gonga OR /AMB
Nvunji NL /BAK/AMB/OR
Lembarenganga NL
Kassubeká – EC


Divindades não cultuadas nas casas consultadas
Aluvaiá NL/BAK (LU-VUYA)/ EC
Nkondi NL/BAK
Hoxi Mukumbi NL/ KIOKO
Mukongo –NL/AMB
Kissimbe NL/BAK/AMB
Kubango NL/AMB
Kisambu NL/BAK
Kituto NL/BAK
Burungunço/Kukete – EC
Kukuete – NL/BAK
Cambaranguanje EC
Kibuko EC
Kassulembá NL/BAK
Lembarenganga NL
Kassubeká – EC
Kabila OR/AMB







Aluvaiá NL/BAK (LU-VUYA)/ EC

Aluvaiá cujo nome em kikongo é Alu-vuya, sendo sua origem congolesa, registrado por Nei Lopes e por Edison Carneiro é um dos guardiães das casas de culto congo-angola. Nas duas casas utilizadas para nossa pesquisa ele não foi encontrado, mas já ouvimos em várias casas de angola milongada cantigas referentes a esta divindade durante a cerimônia de despachar as divindades chamadas maléficas. Normalmente estas cantigas referentes à Aluvaiá são entoadas em português. Nei Lopes, baseado em Laman, informa que seu nome, aluvaiá tem contigüidade com herança espiritual, ou com acordos em práticas fetichistas, o que acreditamos que no Brasil ele torna-se um agente guardião exatamente pela sua qualidade de fazer acordos e favorecimentos no terreno da magia.


Mpambu Njilla NL/BAK/AMB/T/

Nei Lopes registra e dá a sua origem como do Kikongo e do Kimbundo com ligeiras variações entre os dois nomes, porque na verdade, mpambu tanto em quimbundo quanto em kikongo significa cruzamento, encruzilhada, e Njilla significa rua, caminho. Para os bantu a encruzilhada é uma espécie de umbigo do mundo, início dos tempos primordiais onde tudo teve começo. Nzambi criou o mundo a partir de um cruzamento de caminhos e Mapmbu Njilla é o senhor absoluto desses caminhos. Na casa que nos tem servido de referência Mpambu Njilla é cultuado como o guardião por excelência. No entanto, Oscar Ribas não o registra, sinal de que na região de Luanda em Angola ele não é conhecido.
Também não o temos encontrado em nenhuma bibliografia relativa aos povos Bantu, o que não quer dizer com absoluta certeza que lá ele não existe, mas é pelo menos um dado que nos leva a refletir.. Não seria essa divindade uma criação brasileira, uma espécie de guardião criado a partir de duas nomenclaturas, pois os atributos de Njila e exatamente o do homem da rua? Edison Carneiro o registra como Bombogira, que é claro, é uma corruptela do Mpambu Njila, mas em África não encontramos nada similar, a não a tradução da palavra Mpambu em Kikongo que significa portão, local fechado.
Vejamos na íntegra, uma postagem de Tatá Tawá (COMUNDADE COBANTU: 2008) sobre a encruzilhada e sua importância na mitologia e na mítica bantu:

A ENCRUZILHADA PARA O POVO BANTU

“Quem se encontra em uma encruzilhada é, neste momento, o verdadeiro centro do mundo. A encruzilhada liga-se à situação de cruzamento de caminhos que a converte numa espécie de centro do mundo. Lugares onde ocorrem aparições. As encruzilhadas costumam serem assombradas por gênios ou espíritos geralmente temíveis, com os quais o homem tem interesse em se reconciliar. É igualmente um lugar de passagem de um mundo para o outro, de uma vida a outra, passagem da vida à morte. Nas regiões de florestas e savanas, a encruzilhada assume a importância de algo sagrado. Costuma-se batizá-la de encruzilhada do encontro ou da residência. O local torna-se sagrado após um ritual específico. Em um cruzamento de caminhos de caminhos, costumam batizá-la encruzilhada do encontro ou da residência.É nas encruzilhadas, que as mulheres BALUBAS e LULUAS (incumbidas do cuidado das plantações) costumam depositar os primeiros frutos da colheita.Se a cidade estiver ameaçada pela fome, a população inteira se dirige em procissão às encruzilhadas mais próximas a fim de depositar ali oferendas de víveres ou de velhos utensílios domésticos, destinadas às almas dos ancestrais.Nas encruzilhadas, ainda, é que as mulheres acabam de desmamar um filho, ficando assim dispensadas da proibição costumeira de terem relações sexuais durante o período de aleitamento, sacrificando uma galinha branca às almas das crianças mortas.
A encruzilhada encarna o ponto central, o primeiro estado da divindade antes da criação, é a transposição do cruzamento original de caminhos que o criador traçou no começo de todas as coisas com sua própria essência para determinar o espaço e ordenar a criação.Para os bantu, quando uma pessoa não sabe qual caminho seguir diz estar em estado de PAMBWA (ENCRUZILHADA). NJILA vai conosco aonde vamos, está em todos os lugares, porque está dentro de nós, vê tudo que vemos, pois vê com nossos olhos, sabe o que vai acontecer, pois conhece todos os caminhos e faz parte da arte divinatória.Sem NJILA todos os elementos do sistema e seu dever ficariam imobilizados.NJILA tem a ver com a criação. NJILA leva a propulsar (impelir para frente), a crescer, a transformar, a comunicar, ajuda as pessoas a se desenvolverem e a adquirirem um bom nome.NJILA está relacionado com as cavidades do corpo (mukutu), cabeça (mutue), cavidade da boca e estômago (muzumbu e dikutu), umbigo (tumbu), cavidade do útero (kivaji).NJILA nunca existiria se o mundo não fosse criado em uma encruzilhada, a verdadeira cruz bantu.”Matéria do Livro: Costumes e Mistérios do Candomblé Angola / KongoFonte dessa pesquisa: Comunidade do orkut COBANTU


EngambeIRO NL/BAK


No dicionário de Nei Lopes aparece o termo engambeiro ou engambelo, termo comumente usado pelo Povo-de-Santo como verbo, na flexão engambelar. Nei Lopes dá a origem como do Kikongo, mas também não adianta mais nada sobre o assunto. Óscar Ribas não faz nenhuma referência e na Nzo Tumbensi de Itapecerica a casa onde estão depositados os assentamentos dos guardiões tem por nome Nzo Ngambe, numa clara alusão a esta divindade. É uma divindade Kikongo, mas que até o momento não temos encontrado maiores referências.


Nkosi Mukumbi NL/ BAK EC/T/

Nkosi é uma divindade de origem kongo, e temos uma série de referências a ela principalmente na área cultural Cabinda. Nkossi é em Cabinda uma divindade muito temida junto com Nkondi, ambos muito utilizados pelos feiticeiros “comedores de alma”. Edison Carneiro, em 1938, registra Nkossi e no Nzo Tumbensi esta divindade guardiã é cultuada. Quanto a Mukumbi é uma característica de Nkossi, pois Mukumbi em kikongo significa velho, enquanto em Kimbundo significa cantor. Assim sendo, acreditamos que o Mukumbi utilizado nas casas de candomblé Bantu refira-se ao caráter sério e compenetrado da divindade, próprio dos velhos, e nunca ao seu pendor como cantor.

Mavambo T/


A respeito de Mavambo não encontramos até o momento nenhuma referência bibliográfica a não ser em Mário Milheiros a respeito dos Maiacas que encontrou entre eles um muxique por nome Manvumbi cujo assentamento se dá em forma de estacas do lado de fora da habitação. No entanto, Manvumbi estaria me parece mais ligado a Mvumbi (morto) que ao Mavambo, guardião. As demais informações foram disponibilizadas através de informações orais colhidas junto ao povo de santo. Não sabemos sua origem, nem suas características principais.


Nkondi


Não encontramos nenhum registro a respeito de Nkondi a não ser na monografia do Padre. Martins sobre os povos de Cabinda o que nos possibilita afirmar que Nkondi é uma divindade congolesa. Sua atribuição, segundo os escritos do autor citado é, sobretudo, punir os responsáveis por roubos e calúnias, assim como promover a vingança através de seu ídolo, feito, normalmente, em madeira. Nesse ídolo, as pessoas colocam pregos, parafusos e outros objetos cortantes, que só serão retirados quando o ofensor sentir-se devidamente vingado, vingança essa que, normalmente, vem através de uma doença grave, perda de bens materiais, morte de familiares ou outras catástrofes similares.
No Brasil, tivemos a oportunidade conhecer dois Nkondi, um no terreiro de Tata Nkassuté, no município de Marília e outro no terreiro do Tata Katuvanjesi em Itapacerica da Serra. Na Àfrica, segundo o autor citado, é comum também usarem árvores, sobretudo o imbondeiro para a prática da colocação de pregos e outros objetos cortantes formulando ao Nkondi, na ocasião, pedidos de justiça e vingança.

Hoxi Mukumbi NL/KIOKO

Nei Lopes registra esta divindade como Roxo mukumbi e dá sua origem como Kioko, etnia angolana da Lunda norte de Angola. Não encontramos nenhuma outra referência escrita a respeito dessa divindade, e o autor nos informa que o termo significa em língua Kioko o cocar usado pelo chefe local. Não há nenhuma outra referência, nem nos dicionários ou no panteão das casas pesquisadas que possa nos autorizar a distender o assunto sobre tal divindade.




Mutakalambô NL/AMB/ EC/ OR/T/

Divindade, segundo Óscar Ribas ligada à caça submarina, casado com Kaiangô e que tem como cão de guarda um jacaré. Nei Lopes nos dá sua origem no universo kimbundo o que complementa as informações de Oscar Ribas. Edison Carneiro também nos informa sobre a divindade e, portanto, não paira nenhuma dúvida de que essa divindade veio mesmo do universo kimbundo e que é o Senhor da caça e dos caçadores. Também há referências na literatura angolana moderna sobre o mito de Mutakalambô como o senhor do vento e da flecha, atividade ligada à caça de qualquer maneira. Manuel Laranjeira Rodrigues de areia encontra entre os Tckowe a forma Muta como divindade caçadora. Tanto no Nzo Tumbensi quanto no Kupapa Unsaba a divindade é conhecida e cultuada. No Brasil a divindade é cultuada como caçador e não como caçador marinho.


Kabila OR/AMB

Oscar Ribas apresenta essa divindade como o pastor de Mutacalambô. Quando os caçadores estão com dificuldades na caça, recorrem aos seus préstimos e ele no intuito de ajudá-los rouba de Mutacalambô algumas caças e permite ao caçador suplicante abatê-las. Como paga recebe dos caçadores as caudas dos animais abatidos e depois das peças de caça limpas e esquartejadas exige a distribuição delas entre os presentes. Não ouvi nenhuma referência a essa divindade, a não ser em alguns cantos de louvação.


Katendê NL/BAK /EC/T/

De origem congolesa, divindade ligada às folhas e as matas, citada por Edison Carneiro e por Nei Lopes que confirma sua origem como sendo do congo e que seu nome significa título de nobreza na terra de origem. Na casa utilizada como referência ele é uma entidade cultuada, assim como é uma divindade muito conhecida e respeitada em todo o universo angoleiro no Brasil. De acordo com a mítica bakongo, Katendê foi o segundo filho de Nzambi Ampungo e foi quem distribuiu as sementes das plantas sobre a terra.


Nkongobila NL/BAK /EC/T/

Popularmente conhecido como Congobira ou Incongobira é um jovem caçador registrado por Nei Lopes como de origem kikongo. Segundo o autor, seu nome é Ngóbila acrescido de Nkongo. Edison Carneiro também o registra como fazendo parte do panteão dos candomblés baianos da época, e na casa que estamos seguindo ele é bastante cultuado.

Kaiangô NL/BAK/OR/AMB/T/

Encontramos referências a essa divindade em Nei Lopes que dá como sua origem o Congo, sendo a palavra derivado de Yangu acrescido de um prefixo diminutivo Ka, ou do substantivo Nkai que traduzindo seria avó. Também ele registra a forma Caingo cuja tradução seria velho, fraco, doente, debilitado. Óscar Ribas por sua vez situa sua origem como sendo da área lingüística do kimbundo, portanto angolana, e nos informa que a divindade é esposa de Mutakalambô, portanto uma divindade ligada à caça. Manuel Laranjeira Rodrigues de Areia registra esse Nkisse entre os Luenas, os luvali e os lucazi como a divindade da adivinhação com a etmologia Kaiangu. Edison Carneiro encontrou-a nos candomblés bantu da Bahia de sua época. É cultuada no Tumbensi de Itapecerica da Serra.
Novamente daremos a voz a Itana Mutararê, que em interessante postagem nas páginas do Orkut nos brinda com uma vasta explicação sobre o Nkissi Kaiangô. Ouçamo-la:

“ Kaiongo –s.f. Espírito feminino que constitui uma das mulheres de Mutakalombo. Entidade espiritual conubiada com essoutra entidade espiritual. Termo quimbundo Fonte: -- Dicionário de Regionalismos Angolanos, pág. 140 -- de Oscar Ribas -- 1994 – Editora Contemporânea. Durante meus primeiros estudos sobre o ngombo, encontrei uma resenha de Ramon Sarró sobre o livro ‘SE ISTO É UMA CESTA” da Etnógrafa Sonia Silva. Descrevendo o que leu diz ele: “Entre os Luvale, só poderão ser adivinhos aqueles que sofreram de uma determinada doença cuja cura tenha envolvido a possessão dos seus corpos por kayongo, o espírito da adivinhação. A possessão e a capacidade divinatória constituem a sua cura — porém, sempre que tente abandonar a adivinhação, o homem será novamente acometido pela doença. Kayongo, um espírito metaforicamente associado ao vento, é também o espírito que toma posse da nova cesta de adivinhação mediante a transferência das peças da antiga lipele para a nova.”Essas duas informações sobre Kayongo, em que ela seria a esposa de Mutakalombo e em outra região, seria o espírito da adivinhação e metaforicamente associado ao vento, não poderiam ficar dissociadas das informações anteriores que obtive dos meus mais velhos no Candomblé. Em nossa casa, (casa de meu pai Passinho) KAIANGO , é o fogo da terra, a parte ígnea da Terra; principio por onde passam todos os caminhos que têm relação com este elemento primordial, FOGO EM BRASA, EM LAVAS. Todos sabem que os bantu habitam esses 3 reinos, Angola, Matamba e Congo, desde períodos pré-históricos, no período paleozóico quando a terra ainda esfriava... Lembram das “pegadas de Zambi na África”??? Assim, logicamente, todos os mitos devem ser buscados desde essas eras Kaiango Tem ligação com Ntoto uá Zaba (as profundezas da terra que se comunica com o céu), nos domínios do Nkisi Nsumbu, com quem compartilhou grandes segredos, os quais somente ela conhece e a ela pertence. Mais para cima dessas terras profundas, também tem ligação com Kavungo, onde nesses domínios, as cavernas, visita com suas ventanias, é bem vinda e festejada. KAIANGO É A GRANDE SENHORA DO FOGO PRIMORDIAL , DAS BRASAS DO INTERIOR DA TERRA, enquanto Nzazi é o grande Senhor do Fogo Cósmico que rasga os céus desde os tempos primordiais. No momento em que a Terra iniciou o seu resfriamento, surge a FUMAÇA (não uma fumaça qualquer, mas uma fumaça das brasas vulcânicas, resultante do processo da criação deste mundo)... É A ENERGIA DE KAIANGO SE TRANSMUTANDO, CRIANDO CAMINHOS... Fumaça é a representação do ar, do vento na forma mais simples e elementar da Criação. A Natureza Ígnea se transmuta em fumaça primordial e cria novos caminhos sem, contudo perder a sua ligação com o fogo primordial de centro da Terra. Mas... FOGO É FOGO, FUMAÇA É FUMAÇA. A nuvem de fumaça, o movimento da fumaça, a presença de fumaça em florestas, em lugares úmidos, sem duvida nos reporta a imaginar a forma das almas dos antepassados da humanidade. Dessa forma, KAIANGO está ligada à criação do mundo, tendo sua própria natureza associada aos VENTOS e como resultantes de seu movimento, novos caminhos se criam para a existência dos redemoinhos de ar e tempestades. Na África, nas regiões do Kongo, ocorrem tempestades de ventos impetuosos tão formidáveis que fica tudo em trevas. Para dissipar esse estado atmosférico tão carregado e que traz tantas dificuldades, realizam-se rituais.
O vento também faz parte do sistema divinatório dos Ngangas, conforme podem ver, citado acima, entre os Luvale; sem ele acreditam que não receberiam a visita dos espíritos, principalmente em seus sonhos. O VENTO TRABALHA em favor dos africanos... “entre os povos Humbe a ajuda do vento é primordial na operação de separar a palha dos grãos de massambala” Estudos da Mitologia bantu --- Tata Nkasute, página 94. Porém a Natureza não pára de se transmutar para GERAR NOVOS ELEMENTOS. Como conseqüência NOVOS CAMINHOS. Com as mudanças climáticas, previsíveis no processo de formação da terra, vieram as CHUVAS. A CHUVA vem da evaporação devida ao ar quente sobre as águas dos rios, dos lagos, poças. No encontro das camadas de ar frio, com ar quente as poeiras da atmosfera se condensam e desaparecem, ocorrendo a precipitação Mais uma vez a Natureza se transmuta e sem perder seu principio original abre caminho para UAMBULU NSEMA (BAMBURUCEMA) - a grande SENHORA DO FENÕMENOS ASSOCIADOS À SOBRECARGA NA ATMOSFERA, de calor, umidade e vento, culminando em TEMPESTADES DE CHUVA, RAIOS E TROVÕES. Não encontrei nos livros nada semelhante ao que aprendi pela oralidade dos MEUS mais velhos do TUMBENSI, mas, nos estudos referentes à formação da terra é fácil constatar quer realmente a mitologia “se encaixa” perfeitamente com os relatos histórico/ científicos. ”


Mukongo –NL KIMB


O único registro encontrado foi em Nei Lopes que dá sua origem como da área lingüística do Kimbundo. Mário Milheiros encontrou esse Mukixe entre os Maiacas e seu registro etnográfico nos informa que ele é assentado sob a forma de um pau que conservam dentro de casa e que tem como função inchar e curar os olhos de pessoas e animais. Nenhuma das duas casas pesquisadas o cultuam e nem Edison Carneiro faz qualquer anotação a respeito.



Ngunzu – T/

A única referência a esta divindade encontrei na casa pesquisada, pois não nenhum registro bibliográfico a respeito. Nem Nei Lopes e nem Edison Carneiro fazem qualquer referência a este Nkisse.


Kianda OR/T

Óscar Ribas nos informa que as Quiandas são as sereias, seres espirituais que vivem na água dos rios, dos lagos e dos mares. Podem tomar vários aspectos e apresentar-se às pessoas em forma de peixe, pessoa ou coisa. Segundo um informante do autor, as Quiandas não têm a forma de semi-peixe e semi-pessoa como as européias, mas apresentam-se com forma humana e farta cabeleira, sob as quais às vezes se escondem. Podem pedir aos humanos qualquer coisa e desaparecem sem aviso prévio. No Brasil, acreditamos que sejam mais cultuadas na Umbanda, numa linha chamada Povo D’água e no candomblé bantu só encontramos referências a elas no Nzo Tumbensi de Itapecerica. Como apenas encontramos registros da Kianda em Óscar Ribas cremos que sua origem seja da área lingüística Kimbundo e, portanto, do país de Angola.
Ainda colhidos das páginas da internet, na fala da nossa já conhecida Itana Mutararê, transcreveremos na íntegra sua postagem por ser muito elucidativa. Escreve ela:

Texto extraído das conferencias realizadas em Lisboa – 2000, sub-titulo
Quando em visita à Casa de Angola, aqui em Salvador, me foi presenteado uma encadernação de “Conferências do Sr. Dr. Virgilio Coelho”, Vice-Ministro de da Cultura de Angola. Nela encontrei, em “ACTAS” da III REUNIÃO INTERNACIONAL DE HISTÓRIA DA ÁFRICA, no titulo “A África e a instalação do Sistema Colonial (c. 1885-c. 1930), uma de suas conferencias realizada em Lisboa – 2000, sub-titulo “ A questão da Terra e Territorialidade no Antigo Reino de Ndòngò, vista através de um relato do fim do século XIX”. , uma das pesquisas mais elucidativas que já li sobre “Quiandas”.No último parágrafo do item 2.1.1 ele relata como a “entidade” se manifesta:“Perante os devotos, conclui J.I. de Pinho, o “Quianda” “não se apresenta em corpo e alma, mas em espírito na cabeça de um homem ou de uma mulher”, “que vê, que ouve e que fala” aos presentes. Mais adiante apresenta a descrição de outro autor, que dá ainda mais clareza ao assunto:
“Muita gente está em redor, uns agitando os chocalhos, outros cantando, outros tocando atabaques. O neófito ou chinguilador senta-se n`um mocho.
“Todos estes passos são dados no sentido de comunicação pacifica com a divindade; são preparativos para anunciar, que a divindade não está longe” (Nascimento, A.J. 1874: 3).No item seguinte, 2.1.2 – A Divindade - Virgilio Coelho apresenta, como determinados autores antigos descrevem Kyàndà, Kiximbi, Kituta, e como são mitos populares em Luanda:- A divindade em questão denomina-se “Quianda”, isto é, Kyàndà, cuja popularidade era grande no seio das populações que habitavam a cidade de Luanda. Héli Chatelain, autor anteriormente citado, diz textualmente que o “Kianda (é) um dos espíritos mais populares na mitologia de LUANDA/Angola. É o gênio da água, e preside ao mundo dos peixes, de que a população nativa de Luanda depende para seu sustento. Daí a sua popularidade (Chatelain, ibidem). Ainda de acordo com este mesmo autor, “no dialecto de Mbaka este gênio da água é chamado Kiximbi e tem em todos os vales o nome do rio local. Assim, no vale do Luccala, as ofertas são feitas ao Lucala, no vale do Cuanza, ao Cuanza. Outro nome de Kianda é Kituta” (ibidem).J.I. Pinho não dá quaisquer indicações sobre suas características externas, mas anota, neste interessante artigo que vimos citando, que é uma “divindade da mytologia africana” e, recorrendo ao que se poderá considerar como articulação de base de uma narrativa sobre a criação do mundo, alude que “Deus Nosso Senhor dividindo o mundo por todos os espíritos do mar (...) coube ao Quianda o império dos mares, dos rios, das lagoas, dos lagos, das fontes, dos outeiros, dos bosques, etc., etc.,” tendo fiado igualmente sob a sua responsabilidade e “influencia” “os animais racionaes e irracionaes, a chuva, a peste, a fome, a guerra, a pasz e finalmente todos os elementos.Vindo em socorro destes dados, A.J. Nascimento dá sustento às informações de Pinho e clarifica “que os rios, lagos e fontes, etc., são habitados por entes com apparencias humanas”, precisando, porém, que são seres de “altura incomensurável” e que “gozam de imortalidade”, classificando-as, não sabemos sob que critérios, como sendo “divindades de 2ª. ou 3ª. ordem”.Este autor precisa ainda que o “Quiandas” “governam os peixes e os amphibios, estabeleccem e regulam o equilíbrio das águas (e) são engenheiros hydráulicos, concluindo finalmente que o seu poderio é tal, que chega a influir nos destinos do homem (Nascimento, 1870:261).Em conclusão: para A.J. Nascimento “Quianda” é, pois, assim, um “deus da água”. “É o mesmo que Deus no seu império marinho”. Ademais, as populações acreditam que “os desastres que acontecem nos rios, lagos, mares, fontes, etc.”, são de sua inteira responsabilidade, considerando-os, além disso, “papões que engolem creanças e homens, e mettem embarcações no fundo. Quando acontece algum desastre, creditam que o Quianda não quer deixar passar nas suas águas embarcação nenhuma”, e que “neste estado de crença (tais populações) preferem morrer à fome e á sede, a pescar ou tirar água d´aquelle rio” (ibidem).Assim cabendo a esta divindade a responsabilidade pelas ocorrências nessas áreas da natureza, logicamente só poderia caber a esta o beneficio e a honra da regulação e da harmonia de todos os problemas e desregramentos que eventualmente possam vir a ocorrer na natureza, facto que acontece sempre que estas populações façam recurso à sua benevolência, por intermédio do sacerdote (o kilàmbà), preparado para entrar em seu contato. Pois então, meus amigos, reparem especialmente no que está dito acima: “no dialecto de Mbaka este gênio da água é chamado Kiximbi e tem em todos os vales o nome do rio local. Assim, no vale do Luccala, as ofertas são feitas ao Lucala, no vale do Cuanza, ao Cuanza. Outro nome de Kianda é Kituta” (ibidem).
As suas origens reportam-se à pré-história quando as águas dos rios eram “vistas” como grandes “cobras” ou “serpentes” que se espalhavam pela terra a dentro “engravidando-a” e fazendo com que a terra “parisse” frutos, ovos, animais, pássaros, insetos, enfim tudo que existe sobre ela, inclusive o próprio homem!Isto é lição que me foi ensinada pelos “meus mais velhos” mas que encontro a todo instante em qualquer leitura de autores lusitanos, senão idêntica mas com o mesmo sentido a mesma mensagem. Faz parte dos Minkisi da Criação, na mítica de Kalunga, chamada depois de NDALA KARITANGA, segunda divindade, ao passar a viver com Nzambi Apungo (Deus Poderoso) que a criou, criou o mundo e tudo que nele existe.Com o tempo, Ndala Karitanga deu a luz a Nkuku-a-lunga (a Inteligência, ou um ser inteligente) e este passou a ser a 3ª pessoa da Trindade Divina. Quando ele cresceu Nzambi lhe deu o Poder da Adivinhação.Depois dos incestos dos primeiros tempos da criação, Zambi ordenou que entre as criaturas existentes os acasalamentos se dessem apenas entre primos. Foi então que dessas uniões nasceram KITEMBU-A-BANGANGA (Tempo) e SAMBA KALUNGA (Mar) e outros.Naquele tempo as rochas estavam moles por terem sido feitas recentemente, mas foi nesse período que Nzambi despediu-se, levando o cão que sempre o acompanhava. Dirigiu-se para SENZALA KASEMBE diá Nzambi (Aldeia Encantada de Deus). A morada de Nzambi fica entre os rios LUEMBE KASAI, junto a nascente do MBANZE.Sobre os “retalhos” extraídos da lenda acima, todos já sorveram o bastante para saber que foi coletada de nativos do nordeste de Lunda por João VicenteMartins.”


Ndanda Lunga NL/BAK/AMB

Nei Lopes, citando Yeda Pessoa nos informa que o nome possivelmente tem sua origem em Ndanda Kalunga. Edison Carneiro não faz registro de Ndanda Lunga e sim de Ndanda Lunda. No entanto, no dicionário de kikongo-Francês vamos encontrar Lunga com o significado de jóias e riquezas e o PE.Martins, de Cabinda, cita um Nkisse com o nome de Lunga que seria o protetor dos lagos e das águas próximas das florestas. Também já ouvimos referências dos mais antigos que quando foram iniciados fala-se em NdandaLunga e não NdandaLunda. Não há referências a este Nkisse em nenhuma das casas pesquisadas.


Ndanda Lunda NL/AMB/T/

Em Nei Lopes vamos encontrar a explicação seguinte para o seu nome: ndanda do kikongo que significa pessoa mais velha e nda do kimbundo que significa mulher nobre. No entanto, não há registros de Edison Carneiro e não encontramos nenhuma outra referência a esse nome em outros estudiosos, seja do universo kikongo ou kimbundo. Na casa pesquisada vamos encontrar NdandaLunda e sabemos que esse Nkissi é muito popular entre nós como divindade ligada à água doce.
Sobre Ndanda Lunda ainda a acrescentar o estudo elaborado por Itana Mutararê que transcrevermos como sempre na íntegra, dada a seriedade e o caráter de pesquisa que a mesma imprime a seus textos. Vejamos:
Ao falar de Dandalunda ela diz:
“Até aqui consultamos apenas o Dicionário bantu do Brasil de Nei Lopes, publicado com a chancela do Centro Cultural José Bonifácio, instância da cultura afro-brasileira na Prefeitura Municipal do Rio de Janeiro 1993-1995Observem a diferença entre as grafias e seus respectivos significados: DANDALUNDA, DANDALUNGA e NDANDA LUNDA...O termo NDANDA, em Kicongo é um título que designa os mais velhos, o que vem depois do chefe em dignidade. No quimbundo tem-se a palavra “ kianda” = sereia e o sufixo ou prefixo “nda” = Mulher nobre. O próprio lingüista autor do Dicionário citado, propõe a existência de uma reduplicação da expressão nda no termo Ndanda...Segundo Olga Caciatore, DANDÁ é um capim odorífero empregado em trabalhos de umbanda e candomblé. Segundo Euclides Ferreira, este capim é uma batata de junco, pripioca.. Já Câmara Cascudo diz que, provavelmente é um termo originário do quimbundo, da palavra ndanda, também conhecido como junça. (Cascudo, 1980:281). Ensina Buarque de Holanda, que Junça é a erva "estolonífera da família das ciperáceas” (...) de rizoma tuberoso e comestível; é planta, grama, que mata aquelas que perto nascem... LUNDA = Província no Leste de Angola, hoje duas Lundas - Norte e Sul - na divisão administrativa posterior à independência.De acordo com o dicionário “Dicionaire kikongo et kituba – Français – vocabulaire compare dês langagens kongo traditionels e vehiculares” de Pierre Swartenboechx S.J. da Editora Cventre de etudes ethnologiques , Bandudu – Repúblique du Zaire, tem-se que:Ndanda recompensaLunga jóiasSURGE UMA DUVIDA: qual o nome certo da deusa? Ndanda lunda, DANDALUNDA, DANDALUNGA ou Ndanda Lunga? - O meu velho pai de santo(77 de idade e 57 de santo) ensinou-me a dizer Ndanda Lunga.Do que vimos até aqui, depreende-se que estamos certos em dizer:Mam´etu Ndandalunda, Nda = Senhora, Ndanda= Nobilíssima Senhora, Rainha, Princesa, Senhora de grande prestigio.Quando digo: Quem de fato estuda os mitos angolanos sabe que KONGOLO não é um indivíduo, e sim, um título honorífico (como o de Ndanda Lunga).A lenda de Kongolo será analisada em outro momento, mas, adiantamos que Kongolo era um rei sagrado, pois possuía o “bulópue”, uma qualidade sagrada que havia no sangue dos descendentes dos Grandes Reis Sagrados. Depois de morto na guerra, Kongolo se deifica, faz-se senhor das chuvas e assume a forma de uma grande cobra vermelha que se manifesta no arco-iris = Hongolo (kimbundo).Sem duvida é o movimento das águas que dá origem ao arco-iris... É só relembrar as noções básicas de Geografia e refletir um pouco sobre a questão.
Samba Kalunga NL/AMB/T/


Em kimbundo samba significa cortesã, dama da corte, ou seja, mulher nobre. Samba, portanto, dama de alta nobreza, acrescida de Kalunga, que é o mar, gera a locução Dama do mar ou rainha do mar. É um nkisse de natureza marinha, a quem são dedicados tanto lá em Angola, especificamente Luanda, como aqui no Brasil um culto intenso e uma festa anual de proporções gigantescas. Esse Nkissi é cultuado na casa pesquisada e em todo o Brasil.


Kissimbe NL/AMB/BAK /KIK

Kissimbe ou na outra forma Quiximbe tem sua origem no universo Ambundo – Kiximbi – Sereia, ou no universo lingüístico kikongo –simbi – sereia, ambos registrados por Nei Lopes. Não há registro de Edison Carneiro, mas é com certeza uma das kiandas conforme vimos acima. Não a encontramos com essa nomenclatura em nenhuma das duas casas pesquisadas, mas conhecemos no Nzo de Tata Nkassuté, em Marília uma senhora iniciada para esse Nkissi.

Matamba NL/BAK/T/

De origem no universo linguístico kikongo, registrado por Nei Lopes que nos fornece a grafia em Kikongo – Ma-támba. Vamos também encontrar matamba registrada por Mário Milheiros (MILHEIROS, 1952) que anota sua presença entre os Maiacas como um Muquixe que provoca e também cura dores de dente, feridas no nariz e outras enfermidades ligadas à boca. O autor ainda nos informa que o assentamento desse Nkissi se faz num casca de caracol ou num embrulho de pano. As mesmas características encontramos, ou seja, dores de dente, furúnculos na face etc., na definição do termo matamba no dicionário de Kikongo-francês que temos consultado. Encontramos este Nkissi na casa pesquisada.



Kaviungo NL/BAK/T/

Também chamado de Kavungo, Nkissi de origem congolesa, registrado por Nei Lopes, e no dicionário de português-kimbundo encontramos a forma Kaluvungu que é um substantivo feminino e que significa magia. É cultuado no Tombeici de Itapecerica.

Nsumbo NL/BAK /T/

De origem kikongo registrado por Nei Lopes sem maiores informações. É cultuado na casa pesquisada.

Kingongo T/

Não encontramos nenhuma referência bibliográfica sobre esse Nkissi. Apenas o vemos presente nas casa pesquisada.


Kubango NL KIM

Segundo Nei Lopes, esse nkissi tem origem no universo lingüístico kimbundo e significa briga e luta. Não encontramos até o momento nenhuma outra referência
.


Mpanzu NL/EC/ BAK/T/

De origem no universo linguístico Kikongo, segundo Nei Lopes e significa aquele que provoca úlceras. Cultuado na casa pesquisada. Edison Carneiro fala dele como de um espírito inferior, habitante das árvores, no Bate-folhas de Manuel Bernardino, juntamente com Zacaí.

Kisambu NL/BAK

É apenas outra grafia de Nsambu ou Nsumbo valendo as mesmas características do primeiro.

Kituto NL/BAK

Outro nkissi ligado à doença de pele. Também tem sua origem no universo lingüístico kikongo e significa varicela, catapora, etc. Não é cultuado em nenhuma das casas pesquisadas.

Burungunço/Kukete – EC

Apenas Edison Carneiro registra e não encontramos outras referências a respeito.

Kingongo – T/

Nkissi cultuado na casa pesquisada e, segundo Tata Katuvanjesi é um Nkissi ligado à fartura e prosperidade, mas não encontramos nenhuma referência bibliográfica.

Kukueto – NL/BAK/T/

Tem sua origem no universo lingüístico kikongo, deriva da palavra kikongo nkwete (feiticeiro) Está presente na casa pesquisada.


Nzazi NL/ BAK/EC/ T/

Nkissi largamente conhecido em todo o universo lingüístico Bantu com alguns nomes diferentes, mas com atribuições semelhantes. Nzazi é o raio e por isso é chamado de o Deus da justiça, porque em África quando um raio atinge uma casa, uma pessoa ou uma aldeia é feito desse fato uma cobrança da justiça divina. Este ou aquele estava em falta e o raio Nzazi atuou ali para promovendo a justiça contra o faltoso ou os faltosos. A origem do nome vem do universo lingüístico Kikongo, assim está registrado por Nei Lopes, foi também anotado por Edison Carneiro nos candomblés bantu da Bahia na época e a casa pesquisada têm por ele grande afeição e apreço.





Cambaranguanje NL/AMB/BAK/EC

Este Nkissi foi registrado somente por Edison Carneiro, mas pessoalmente já ouvimos referência a ele em terreiros de angola milongada. Nei Lopes dá a seguinte explicação para a questão do nome. Segundo ele, pode ser a fusão dos termos kikongo kambala que significa grandeza e ngangi cuja designação é para pessoas irascíveis, ou talvez ainda venha do universo lingüístico kimbundo nguanji que significa antropófago, canibal. Nas duas casas pesquisadas não há referência a esse Nkissi.

Kibuko NL/KIM/KIK/EC


Nei Lopes diz que provavelmente seja de origem kikongo derivado do nome de um nkissi Nkiduku ou do kimbundo kibuku que significa sorte. É também uma das três partes do Ingorossi. Foi registrado também por Edison Carneiro.


Hongolô NL/AMB/ EC/ T/

Conhecido entre nós por Angorô, registrado por Edison Carneiro que também fala numa forma feminina Angoromea, Nei Lopes situa-o na área lingüística do kimbundo, mas na verdade, em todo o mundo bantu vamos encontrar referência a esse Nkissi, ou como divindade ou como herói mítico fundador. No Tombensi ele é cultuado. Na mitologia bakongo ele foi o primeiro ser criado por Nzambi Ampungo para separar a terra das águas e ainda trazer a luz e cor ao mundo.
Luango NL/BAK/OR/T/


De origem kikongo proveniente de um Nkissi congolês cujo nome é Lw-ângu, é registrado por Nei Lopes e cultuado pela casa pesquisada. O Pe. Joaquim Martins (MARTINS: s/d) que escreveu uma monografia sobre o povo de Cabinda tem outras referências sobre o mesmo. O padre apresenta este nkissi com o nome de Mbumba-Luango (o arco-íris), mas também dá outra versão, a do Padre Marichelle, separando Mbumba de Luango. O Mbumba seria uma divindade para fazer o bem e o mal e o Luango é uma divindade que traz a cintura grãos de cereais e chifres de animais cheios de sangue para espalhar sobre as pessoas, numa clara alusão a sua função enquanto divindade ligada ao firmamento e aos trovões. Também deixa claro que o Nkissi Luango é aliado do Nkissi Nzazi.


Nzinga Lumbondo NL/BAK/T/

Ney Lopes dá a origem de Lubondo como congolês, nkissi ligado ao firmamento, proveniente das palavras Lu-bondo. Na casa pesquisada Nzinga Lubondo é cultuada, sendo que Nzinga é um termo honorífico e, portanto, é apenas um título que acompanha a divindade Lubondo emprestando-lhe maior prestígio e conferindo-lhe aspectos de realeza.



Kitembo- Tembu NL/BAK/ EC/T/

Vamos encontrar duas variações para esse Nkissi, Kitembo e Tembu. Nei Lopes registra a versão Tembo e segundo ele, a origem dessa divindade é do universo lingüístico kikongo, e que em Kikongo a grafia é Témbo (Tembwa). A tradução de Tembo em português é vento violento. A versão kitembo (Tempo) também conhecida no Brasil é de origem kimbundo e significa também vento. Edison Carneiro registra esse Nkissi o que demonstra que o mesmo estava já aparentemente consolidado, com a grafia Tempo, em sua época de pesquisador. Por essa razão, podemos pensar que a divindade que aqui chegou foi o Témbo (Tembwa) – bakongo - e que a palavra Kindembo apareceu recentemente com a efetivação das pesquisas bibliográficas. Essa divindade tem sido um dos sinais diacríticos nas casas de Congo-Angola e por muitos é considerado o rei da nação. Na casa pesquisada ele é cultuado e louvado.


NdandaNzumba NL/EC/ BAK/AMB/T/

Conhecida como Zumbarandá e é assim que Edison Carneiro a apresenta, Ndandazumba, esse sufixo randá em português que acompanha seu nome é uma variação popular de Ndanda é apresentada por Nei Lopes como de origem kikongo, pois, segundo o autor, Nzumba significa Moça em língua do Congo. Desfaz-se dessa forma a idéia que Zumba seja um Nkissi velho e alquebrado como se tem visto até então. Entretanto, encontramos no dicionário de Kimbundo o termo Nzumba para designar “ a cor arroxeada da lua durante o eclipse lunar” o que explicaria a cor roxa com que se veste o Nkissi no Brasil e inclusive a cor de suas contas rituais. É cultuada no Tumbensi de Itapecerica.


Bamburucema – NL (origem desconhecida) EC/T/


Nei Lopes não situa a origem desse Nkissi, mas no dicionário de Kikongo-Francês pesquisado, Mpambulussema ou Mpambulussemavula é de origem kikongo e está ligado a chuva e aos temporais com raios. Edison Carneiro registra a forma Bamburucema e na casa pesquisada ela é cultuada.





Lemba NL/ AMB/BAK/ EC/ OR/T/

A origem de Lemba, segundo Nei Lopes é umbundo, grupo lingüístico do país de Angola. Edison Carneiro encontrou Lemba nos candomblés de então, e tanto Nei Lopes quanto Edison Carneiro o apresenta como o Deus da procriação e dessa forma ele é cultuado nos candomblés bantu. Na verdade, Lemba tanto se encontra entre os povos de língua kikongo, Padre Martins o registra como o responsável pelo casamento entre os povos de Cabinda, quanto entre os Tchowê, os Maiacas, e os Ambundos, ou seja, Lemba é um Nkissi conhecido talvez em quase todo o mundo bantu. Na casa pesquisada Lemba é cultuado.


Lembarenganga NL

Outra forma de Lemba, que se segundo Nei Lopes é apenas uma titulação de Lemba, acrescido do termo honorífico Nganga que significa tanto em Kimbundo como em kikongo, Senhor. Não encontramos a terminologia em outro local.


Kassulembá NL/BAK

Sua origem é a área lingüística kikongo, segundo Nei Lopes. Também não encontramos outros registros a respeito desse Nkissi.

Kassubeká – EC

Apenas Edison Carneiro registra esse Nkissi que acreditamos ser uma das variações de Lemba, mas não encontramos outras referências ao mesmo.


Gonga OR /AMB/

Encontramos esse Nkissi registrado por Òscar Ribas que informa ser ele originário do Congo e, portanto, de língua kikongo. Segundo informações de Tatá Katuvanjesi há uma cerimônia dedicada a Gonga que tem lugar no mês de junho, em torno de uma fogueira dedicada a esta divindade. Mas não conseguimos maiores informações bibliográficas a seu respeito.

Nvunji NL/BAK/AMB/OR

Para esse Nkissi há as seguintes variações de nomenclatura: Nvunji, vúnji e Mvunji. Oscar Ribas informa que o mesmo tem como auxiliar Luango e é especialista em assuntos de justiça e auxiliar nos casos de procriação e partos complicados. Entretanto, no dicionário de kikongo-francês vamos encontrar Mvunji como pastor de ovelhas e como pastor de almas. No Brasil, Vúnji é considerado um Nkissi menino e que raramente tem filhos de santo iniciados e não conseguimos informações se seus filhos entram em transe com ele.

7 comentários:

Vinicius Cavalcante disse...

Mokuiú, parabéns pelo blog! Essa postagem traz muitas elucidações sobre Nkisses. Se continuar assim, serei frequentador assíduo.

itanaamada disse...

Prezado mano e colega.

É com prazer que vejo mais um espaço sério para conversarmos sobre nossas pesquisas.

Obrigada por iniciar com tantas referencias aos meus estudos; dividi-los com você em especial e com todos os demais manos, sempre foi um prazer e uma honra.

Sobre o nome da minha raiz, aprendi que Thuenda diá Nzambi, Mametu Maria Neném, minha avó espiritual,MÃE DO ANGOLA NA BAHIA, nomeou a sua casa de "TOMBENCI". Segundo Mama Lembamuxi que possui a placa guardada, é exatamente assim que se escreve.Se corresponde ou não, ao que ensina os Linguistas europeus mano, em meu entendimento isso seria segundo plano, uma vez que trata-se do nome de Casa Matriz de Candomblé que está registrada desde 1945 na FENACAB como TOMBENCI.

Vale lembrar que os nativos que falavam o Kimbundo não tinham gramática e que a primeira foi elaborada de acordo o "entendimento" europeu.

Jitu disse...

Parabéns mano, pela iniciativa, atitudes como essa só vem a enobrecer nossa religião, que venham as discussões.
Não lí a miúde o conteúdo, porém logo no início deparei com o termo "Ngilla" e não "Njila" seria erro de digitação?

navegante disse...

Então, o que posso dizer senão parabenizar esse maravilhoso trabalho e saber que Mana Itana e Mano Sergio abençoam o mesmo?

Assim como você e vários outros amigos sejam da religião do Candomblé Angola/Kongo ou apenas pessoas que pesquisam e gostam da cultura, me deparo com o velho, "Desentendimento", fazendo que retire algo que não pertence a ninguém senão a cultura em si.

Após ouvir a reza Pembele de Tata Tauá me perguntei:
Como uma Nação tão cheia de paixão, tão cheia de atitudes para defender o seu resgate, não se entende entre si?

O pessoal do Ketu estão a cada dia disponibilizando mais e mais sobre suas culturas, sejam com imagens ou escritas e não estão nem ai se a pessoa que lê, é iniciada ou não.
Pois o que importa é mostrar a cultura, fazer a mesma ser entendida e tornar-se encanto daqueles que não a conheciam.

Mano não lhe conheço pessoalmente, aliás não conheço pessoalmente nem a mana Itana e o Tata Sergio, porém aprendi a admirá-los pelas escritas e pelas suas posturas.

O pouco que se tem é muito e o muito que se perde é tempo.
Caminhe, não se deixe intimidar por aqueles que querem apenas FAMA, mas não são reonhecidos como NADA perante Nzambi.

Muito belo o seu Blog, parabéns.
Um irmão que já tentou de tudo para unir esta Nação, mas hoje entreguei a Tembu.

Abraços

Dejair disse...

Parabéns pelo blog e pela elucidação e disponibilização de tanta informação Tata Sérgio. Após a leitura percebo o quão importante é a pesquisa, a disponibilização da informação, sela para iniciados ou não.

LU LHP disse...

parabéns pelo blog! fico feliz em saber que existe pessoas como vc, com esse rico conhecimento para dividir conosco . muito obrigado pela iniciativa.

Anônimo disse...

'Nde' no fim de uma palavra significaria o que?